Professional Darts Corporation Capitula à Exatidão Política ao Disparar Garotas Walk-On

Dardos Bane Mulheres

As modelos e garotas para as competições da Professional Darts Corporation foram demitidas. Muitas feministas e guerreiras da justiça social estão exclamando que é uma vitória ter mulheres desempregadas e cortar o sustento de modelos femininas que ganham dinheiro com base em sua aparência.

Jogar dardos profissionalmente não parece que cortejaria o tipo de controvérsia que vimos dominando completamente a indústria de videogames ou a indústria de tecnologia, mas aconteceu. O politicamente correto conseguiu infiltrar-se no PDC, a Professional Darts Corporation, colocando suas modelos femininas, conhecidas como walk-on girls, fora do trabalho.

A BBC está relatando que esta decisão foi tomada com base no feedback das emissoras anfitriãs, com um porta-voz do PDC informando ...

“Nós regularmente revisamos todos os aspectos de nossos eventos e esta mudança foi feita seguindo o feedback de nossas emissoras anfitriãs,”

Mas não termina aí. O artigo informa que a conta do Twitter do Women's Sport Trust deseja remover as garotas do grid das corridas de Fórmula e as garotas do boxe.

A BBC Em dezembro passado, a 2017 havia relatado que os diretores-gerentes da F1 estão atualmente revisando o uso de garotas da grade no esporte, o que poderia potencialmente colocar mais modelos femininos fora do trabalho.

Curiosamente, muitas mulheres, agências de modelos e atrizes e modelos do sexo feminino não ficaram inteiramente satisfeitas com a ideia de ter oportunidades de trabalho tiradas à força e restringidas atrás do portão do feminismo e do “progresso”.

A modelo Sara Beverley Jones não ficou muito satisfeita com a forma como as organizações femininas estavam basicamente perseguindo o sustento dela e de outras pessoas.

No artigo da BBC, eles também citaram a modelo Charlotte Wood, que também criticou a decisão da corporação de tirar seu sustento, escrevendo ...

“Todo mundo escolhe fazer um trabalho, e sinto que, se alguém me disser que não posso fazer esse trabalho, meus direitos estão sendo retirados.

 

“Eu escolhi fazer este trabalho. Vou para o trabalho, coloco um vestido bonito e acompanho os jogadores de dardos ao palco. Eu sorrio e é isso. Sinceramente, não vejo qual é o problema. ”

Ashley Zaat também expressou seu desapontamento com a decisão, explicando que, embora a Professional Darts Corporation estivesse proibindo garotas, pelo menos os eventos europeus do PDC ainda permitiriam que garotas que estivessem presentes estivessem presentes.

De acordo com o O Sol, esta questão tornou-se predominante e mais mainstream após relatos de má conduta surgiram de um evento de caridade só para homens conhecido como The Presidents Club.

Mesmo assim, muitos homens e mulheres são desencorajados com a idéia de que as mulheres sejam deixadas de lado para fazer com que certos Guerreiros da Justiça Social se sintam bem consigo mesmas.

Kotaku em Ação do usuário B-voleibol-Ready ligada a uma petição sobre em Change.org iniciado por David Shaw a fim de reter as meninas walk-on para eventos PDC e mantê-los empregados. A petição declara ...

"Andar sobre as meninas em dardos tem sido tradicional há anos e tantas coisas neste mundo que foi tradição foi desfeito bem este é um que não deve ser descartado, não só quebrar a tradição, mas as mulheres estariam fora do trabalho também"

Quase 25,000 pessoas assinaram a petição até a redação deste artigo.

(Obrigado pela dica notícias Lyle)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.